Entry: Cânhamo é um tecido feito de maconha.... Wednesday, May 11, 2011





Era sexta feira. Saí do trabalho e passei na casa de uma amiga de uma amiga que trabalhava comigo. Para fumar. Quando fumei me senti estranha logo no primeiro trago. Não estranha de ruim, mas me subiu uma quentura danada, minha boceta me deu um choque e eu fiquei excitada, imediatamente! Achei muito gostoso mas fiquei medrosa, já que não tinha como saber se as outras tinham sentido a mesma coisa. Na mesma hora passei a acreditar que elas também tinham sentido, isso só fazia parte da minha lombra, mas eu achei melhor me mandar. Simplesmente porque previ que poderia rolar um grande sexo coletivo. Absolutamente inviável já que na sala estavam uma exnamorada minha, uma exnamorada de uma exnamorada minha e uma amiga minha que agora namorava com a minha exnamorada. E como era passado demais e namorada de menos, eu não topei! Tudo isso pensei em dois minutos antes mesmo de acender um cigarro para pensar.
Acendi. Pensei. Estava tocando Alcione e aquilo me deixou um pouco louca, com medo de que o meu presságio se tornasse verdade e que caso acontecesse e fosse bom eu poderia dalí a alguns dias está apaixonada por uma delas, curtindo a Marron cantar "Faz uma loucura por mim". Eu ri, meio em pânico e tomei uma decisão, vou cair fora!

Levantei do sofá, (bem confortável até. Eu tava alí com a minha ex que eu falei, e ela continuava com aquele tom de preto lindo na pele.) e pensei: "que nada, fora!" Me levantei e falei algo sobre minha irmã ter pedido para eu fazer alguma coisa para minha mãe em um lugar por alí, não me lembro! Mas foi coeso sim, sempre fui boa em inventar mentiras rapidamente. Fui embora.
Saí na rua com meu vestido branco, apertadíssimo, que uma costureira linda que eu conheci tinha feito, baratíssimo, pra mim semana passada.

Era uma bairro daqui que eu não conheço nada, mas um grande amigo morava por alí.. E como eu tenho mágia es que surge dentro de um maravilhoso carro popular, modelo da década passada, ele! Meu amigo dizendo, "Nega? Que cê ta fazendo aqui? Seu vestido ficou lindo, valorizou sua bunda horrores". Antes de ficar feliz por ter uma forma de ir pra casa na paz, fiquei vaidosíssima e atravessei a rua completamente rebolativa e muito natural... Falei:
" Nêgo, me meti numa armadilha tremenda, tô toda emocionada na boceta!" Ele me disse.. " Vamos alí, na casa de Tat buscar uma coisa, vamo com agente!" Entrei na mesma hora e me sentei atrás.. Tinha uma menina dirigindo, a tal Tat e um cara amigo de meu amigo, saca? Ela era massa, eu já achava isso. Um jeitão de sapatão, meio mal-humorada e solitária, junto com um jeito de quem não costumava namorar, meio livre pra porra, sabe? Eu pensava essas coisas dela por que estava solteira há alguns tempos e ficava vigiando as mulheres da cidade que me chamavam atenção. E ela parecia pensar tipo: "então tá combinado, é quase nada, tudo somente sexo e amizade, brincadeira e verdade."Sabe? Eu me sentei, lindona, com uns peitos bonitos dentro daquele decote branco e saí da paranóia que eu estava desde que senti tesão na sala com as outras mulheres, dez minutos antes. Eles ficaram me perguntando um monte de coisas e ela continuou calada, dirigindo, cheia de tatuagens, gorda, com uns dedos compridos segurando o volante, me parecendo absolutamente bonita! Tentei explicar o que tinha acontecido dizendo a verdade. Disse que tinha fumado uma maconha estranha que me deu tesão e eu fiquei com medo de perder a linha e me mandei. Ela riu! Descemos do carro e subimos na casa dela. O elevador estava com a lâmpada quebrada e eu achei melhor porque acho a luz de elevador péssima! Que nem luz de provador de loja que te deixa pessima em qualquer roupa. Enquanto isso me contavam o enredo que tinham os tinham feito irem parar alí, diante de mim, na avenida Dom-pedro-primeiro-ou-segundo....

Aí ela me deu a deixa para entrar na vida dela ou somente na cama. Ela disse: "Tem uma música de Nora Ney que NeyMatoGrosso gravou, que é incrível, de cigarro em cigarro" Ele me olhou, naquele momento e sentiu que a venus do céu estava alinhada com minha venus natal ou que o quadrante entre a lua, o sol, plutão e marte estavam influenciando meu ascendente e me proporcionando uma sorte daquelas para o sexo durante os dias 16 e falei/pensei: "Gata, você é muito, muito..." Eu gostava da Nora Ney e já tinha falado muito dela. Achava tão dramática, tão abandonada, tão exagerada. E ela também gosta! Eu pensei: " tô louca para ter uma união estável, agora que a galera do Superior deu essa colher-de-chá pá nois!" Quando saimos do elevador, meu bem, eu estava toda molhada e obcessiva pra trepar com ela.

Ela entrou e falou "Vou te mostrar a capa do disco que eu gosto..." Sacou, aí? O lance da conversa do elevador, eu falei: "Quero ver, quero ver, quero sim...." E em menos de dois minutos eu estava dentro do quando dela (e dentro do meu excitante vestido branco). Era um disco que eu já tinha visto e gostava mesmo. Era a cara da Nora Ney e a musica titulo era tão dramática que tinha virado um bordão popular de dor-de-cutuvelo. "Ninguém me ama e tal..." Pensei na minha exnamorada-ultima e de como eu desejava ela e ela nada-pra-mim. Pensei nessa relação tediosa e cheia de (meu) desejo que eu tinha vívido e que tinha começado assim, como um desejo de trepar sem agonia, sem afobação, só para conhecer e que minha cabeça maluca tinha transformado rapidinho num grande amor. Não queria fazer aquilo novamente, não queria o futuro atropelando o presente nunca mais. Mas não adiantava nada pensar aquilo, se eu tivesse que agir assim eu não poderia fazer nada. Me controlar e não escrever um poema no dia seguinte? Não sei como evitar...Braile nas tatuagens.... Pude abraçar as costas e, ensaiadamente, ela me beijou o pescoço.

Na hora uma musica que me lembrava uma antiga amora tocou e eu não pensei nela como sempre. Ele dizendo " dar um zignow na dor...." era ideal! E aí, aquela maconha na minha mente, aquele corpo, aquela saliva e o tempo correndo como num visor de bomba-relógio de sériado americano de ação. O tempo estava acabando e eu não sábia se ela ia saber explodir no tempo certo. Ela soube e botou a mão na minha boceta na hora certinha que tinha que explodir. Os dedos estava gelados, ou estava muito quente alí e foi arrepiante! Simplesmente! Eu queria ter visto a minha cara, sentindo aquilo.. Devo ter mordido a boca dela de um jeito tão gostoso de ver de fora, queria que estivessem fazendo um filme daquilo. Eu imagino que foi muito gostoso o jeito que eu mordi aquela boca. E você sabe quando agente se olha nos olhos no meio do sexo e vê a cara tão diferente que uma mulher faz quando ela se surpreende pela milésima vez quando toca uma boceta? Eu sempre acho diferente e novo. Não há nada melhor que dizer "muitoprazer" para uma boceta.. e elas sempre fazem uma cara de "olha... bom dia, minha amiga!" né? Nem todas, é mesmo, vc tem razão.. Mas são essas mulheres e essas caras que me fazem adorar ser sapatão. E foi assim... Eu estava ótima. E me apresentei para a dignissima dela com o mesmo dengo. As nossas mãos na boceta da outra, uma mão apertando o pescoço, outra meio presa debaixo do corpo ainda desconfortavelmente vestidos. Ela  me beijou mais rápido e disse "não, eles não tem" nem me lembro porque.. tirei com aquela rápidez bagunçada de sexo a blusa dela. Meu vestido branco sumiu e senti a pele dela perto da minha e teve aquela onda que parece cócegas magnéticas, uma sensação de seda pertinho dos pelos mínimos da barriga. Gostoso, gostoso, gostoso e eu, que sou fraca pra coisa boa já estava quase gozando. Ela gostava da Billie, estava tocando no quarto. Ela se concentrou em mim, me deu toda a força e eu fui ficando fraca-forte, gozante... Fui indo, fui indo e parei.. E fui denovo e fui...Intensidade e quantidade. Quando eu senti o solo-cama denovo meu corpo pesava quase nada e minha boceta apertava aqueles dedos autoritariamente Ela obedeceu e os deixou alí, como um presentinho. "Gata, você é muito, muito..."

   0 comments

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments